Eventos – Brasil Certo
Logo Brasil Certo
Vamos conectar mulheres de bem
para resolver os problemas da cidade de forma criativa e prática?
Logo Brasil Certo

Força e superação: conheça a história de mulheres pioneiras no esporte brasileiro

Juntas por um Brasil Certo: Parlamentares debatem representatividade feminina da política

Editoria: Eventos

O Brasil Certo realizou, nesta quinta-feira, 5 de agosto, mais um evento digital para debater a representatividade feminina na política. A violência política e física contra a mulher, a divisão de recursos financeiros dos partidos políticos, o direito à autodefesa e outros importantes temas foram abordados no evento, que reuniu cinco parlamentares de três estados...

O Brasil Certo realizou, nesta quinta-feira, 5 de agosto, mais um evento digital para debater a representatividade feminina na política. A violência política e física contra a mulher, a divisão de recursos financeiros dos partidos políticos, o direito à autodefesa e outros importantes temas foram abordados no evento, que reuniu cinco parlamentares de três estados diferentes.

A senadora Soraya Thronicke (PSL/MS), líder do projeto e presidente do PSL Mulher Nacional, recebeu os deputados federais Charlles Evangelista (PSL/MG), Nicoletti (PSL/RR) e Delegado Marcelo Freitas (PSL/MG), que participou de forma virtual. Além deles, o evento contou com a ilustre presença da deputada estadual Delegada Sheila (PSL/MG), presidente do PSL Mulher de Minas Gerais. O encontro discutiu a representação de união em prol de mais representatividade feminina.

De acordo com a senadora, é preciso que os debates e as discussões cheguem realmente às pessoas e, por isso, é necessária uma união de representantes de todo o país. “O Brasil Certo tem que chegar aos estados e municípios, pois é lá onde está o povo! E nós estamos todos unidos aqui, para debater e trazer soluções que levaremos para esses lugares”, afirma Soraya.

PSL Mulher Minas Gerais

Questionada sobre as realizações do PSL Mulher no estado de Minas Gerais, a deputada Delegada Sheila explicou que, apesar das dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19, os trabalhos da ala feminina do partido no estado mineiro têm rendido frutos. Como exemplos, foram citados alguns projetos, como o “Lugar de mulher é na política sim!”, que conta a história de mulheres em cargos de liderança em emissoras de rádio e TV do estado, como forma de inspirar novas líderes mulheres. Outro destaque é o projeto “Aurora”, que promove encontros de mulheres, palestras e cursos sobre diversos temas – como empreendedorismo, liderança política e marketing. “Nós tivemos um prejuízo muito grande por conta da pandemia. Gostaríamos de ter feito mais encontros, mas nossa plataforma on-line está funcionando muito bem em Minas. A mulher faz falta na política, porque a mulher é cuidadora por natureza. Ela cuida de si, do homem, das crianças e dos idosos. Nosso trabalho está apenas começando”, destaca a Delegada Sheila.

O deputado federal Charlles Evangelista, que foi presidente estadual do PSL entre 2019 e 2020, e é marido da Delegada Sheila, concorda e elogia o trabalho realizado pelas mulheres mineiras: “Estamos tendo grandes avanços na valorização da mulher na política. A pandemia fez com que precisássemos nos reinventar e buscar a participação da mulher com mais criatividade. E as mulheres do nosso partido têm feito isso muito bem.” 

Projeto de Lei nº 1951 – Representatividade política

Outro tema debatido no evento foi o do Projeto de Lei nº 1.951/2021, que foi aprovado pelo Senado Federal no mês de julho e garante o mínimo de 30% dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, o chamado Fundo Eleitoral, para as candidaturas femininas. O texto original determina também que 15% das cadeiras da Câmara dos Deputados, das Assembleias Legislativas, da Câmara Distrital e das Câmaras de Vereadores sejam preenchidas por mulheres. Porém, uma emenda apresentada pela bancada feminina do Senado, e aprovada no relatório final, reserva cadeiras para mulheres de forma escalonada e progressiva, a partir das eleições de 2022 – iniciando com percentual de 18% e progredindo até que sejam alcançados os 30% nas eleições de 2040. A proposta prevê que, caso não sejam eleitas em número suficiente para cumprir esse percentual, haverá a convocação das suplentes. “Conseguimos fazer com que os senadores entendessem que precisamos avançar neste tema. Sempre fui contra cotas, mas esse projeto veio pra romper um paradigma, porque o Brasil não tem essa maturidade ainda, e em um país maduro as pessoas já votam nas mulheres. Os partidos já dão a elas todas as condições, e precisamos avançar”, explica a senadora Soraya Thronicke.

Para entender a importância do projeto, a parlamentar mato-grossense deu o exemplo prático do seu estado. “Em 2018, o sul mato-grossense não elegeu nenhuma mulher como deputada estadual. Hoje temos a deputada Mara Caseiro (PSDB), que é suplente e assumiu após o falecimento de um deputado por Covid-19. No ano que vem, com esse projeto, nós teremos garantidas quatro cadeiras para as mulheres”, detalha.

Lei nº 14.192/2021 – Violência política contra a mulher

Outro tema em debate foi o da Lei nº 14.192/21, que foi sancionada recentemente e estabelece normas para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher durante as eleições e no exercício de direitos políticos e de funções públicas.

“Existem situações em Câmaras Legislativas Brasil afora em que as mulheres são excluídas de discussões importantes. E isso acontece porque acham que elas não podem falar de assuntos mais sérios. A violência política contra a mulher existe sim e precisa ser enfrentada”, garante a deputada Sheila, que apoia a nova lei.

Projeto de Lei n° 1928, de 2021 – Porte de armas não letais

A segurança da mulher também foi outro assunto debatido no evento. A senadora Soraya apresentou, nesta semana, o Projeto de Lei n° 1928, de 2021, que dispõe sobre a comercialização, a aquisição, a posse e o porte tanto de sprays de pimenta quanto de armas de eletrochoque para defesa pessoal, em todo o território nacional. "O spray de pimenta traz segurança para as mulheres que estão sendo vítimas de violência física. E meu projeto irá permitir que as mulheres possam comprar essa arma não letal legalmente”, afirma a Thronicke.

Apoio dos homens às mulheres

A participação feminina na política depende da aprovação dos parlamentares homens, que são a grande maioria dos parlamentos brasileiros. Por isso, é necessária a união e a valorização das diferenças, que são complementares, para a construção de soluções que tragam a mulher para fazerem parte dos processos decisórios do país. No que depender dos deputados presentes no evento desta quinta, o crescimento da representatividade feminina está garantido.

“Roraima é um estado pequeno, então a concentração de candidatos acontece na capital. Por isso que esses projetos são importantes. Por meio deles, vamos mobilizar as mulheres do interior para entrar na política”, garante o deputado federal Nicoletti.

“Quero ressaltar o nosso apoio integral a iniciativas legislativas, em andamento nas duas casas do Congresso, que objetivam fortalecer a mulher na política”, disse o deputado federal Delegado Marcelo Freitas.

“Temos um time que está renovando a política. São cidadãos comuns que se tornaram parlamentares de primeiro mandato porque quiseram fazer a diferença. Engaje-se no nosso Brasil Certo, lugar de mulher é na política sim! Vamos juntos mudar a história do nosso país” finalizou a senadora Soraya Thronicke.

Fórum Nacional Brasil Certo – PSL Mulher

Editoria: Eventos

Evento em Brasília reúne mulheres por maior representatividade política em 2022 O PSL Mulher realizou, em Brasília, nesta quinta-feira, 15 de julho, o Fórum Nacional Brasil Certo, no intuito de debater estratégias para alcançar uma maior representatividade feminina nas eleições de 2022. O evento reuniu a presidente nacional do PSL Mulher e líder do Brasil...

Evento em Brasília reúne mulheres por maior representatividade política em 2022

O PSL Mulher realizou, em Brasília, nesta quinta-feira, 15 de julho, o Fórum Nacional Brasil Certo, no intuito de debater estratégias para alcançar uma maior representatividade feminina nas eleições de 2022. O evento reuniu a presidente nacional do PSL Mulher e líder do Brasil Certo, Soraya Thronicke, o presidente nacional do partido, Luciano Bivar, lideranças estaduais e outros parlamentares, além de mulheres de todo o Brasil, que participaram virtualmente.

O encontro serviu para apresentar o Brasil Certo como ferramenta para ajudar mulheres que querem fazer parte da mudança, se candidatando a cargos políticos nas eleições do próximo ano. A senadora Soraya afirmou que, além do projeto, o Congresso Nacional tem trabalhado para criar mecanismos para incentivar e promover a participação feminina na política. “Nós, mulheres, queremos mostrar que somos capazes. Queremos ocupar espaços não por sermos mulheres, mas porque somos pessoas competentes, preparadas e aptas a realizar qualquer coisa e assumir qualquer cargo, sendo eleitas para representar o nosso país”, destacou a líder do Brasil Certo.

O presidente Luciano Bivar, em sua fala, afirmou que o PSL é um partido que trabalha para agregar pessoas e, assim, mudar o Brasil. Ele se posiciona contra as polarizações políticas, defendendo uma busca constante pela liberdade e pelos consensos. "A gente não pode tolerar nenhum tipo de absolutismo ou totalitarismo. Os extremos têm métodos diferentes, mas eles se unem como inimigos da liberdade. O que defendemos: antes de tudo, a liberdade de expressão e a igualdade entre os Poderes", disse Bivar.

UMA NOVA LINGUAGEM

O processo de criação do Brasil Certo passou por planejamento estratégico, em que necessidades e problemas foram levantados para se elaborarem os seus pilares e objetivos. A ideia, porém, sempre foi a de trazer pessoas de bem que estão cansadas dos desmandos da política nacional e que têm vontade de fazer parte da mudança, mas que não confiam no processo político e não sabem por onde começar. “Identificamos problemas e possíveis soluções nas áreas principais, que são estratégia, comunicação, tecnologia, aprendizagem e mobilização local. Criamos essa marca linda, que representa um país unido e conectado. Um conceito de comunicação que utiliza, com simplicidade, o certo e o errado para explicar de formar inovadora essa nossa forma de se fazer política, que é a do Brasil Certo”, explica uma das lideranças do projeto, Marluce Godoy.

Entre as principais ferramentas do Brasil Certo estão o Painel de Inteligência, que utiliza dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para trazer informações como a proporção de candidatas mulheres por localidade, o número exato de candidatos lançados por partido e o número de mulheres eleitas por região.

Além disso, o projeto também tem realizado eventos e palestras, disponibilizado cursos on-line e 100% gratuitos nas áreas de política, comunicação e marketing digital, democracia responsável, combate à corrupção e muitas outras. E o site do Brasil Certo também possui uma central de notícias com informações importantes sobre o Brasil.

“Cabe a cada um de nós, que ocupamos estes cargos representativos, cada um de nós, aqui hoje, fazer a diferença, mudar a percepção do cidadão sobre a política. Trabalhando com honestidade e com vontade de fazer o certo. O Brasil vai se orgulhar das mulheres que serão eleitas em 2022. Porque o Brasil Certo foi idealizado para se pensar nas soluções, e não nos problemas. Ouvindo as pessoas vamos vencer juntos”, finaliza a senadora Soraya Thoronicke.

WORKSHOPS ESTADUAIS BRASIL CERTO

Continuando a agenda de eventos, entre os dias 19 e 29 de julho, a partir das 20h, serão realizados os “Workshops Estaduais do Brasil Certo – Lideranças do PSL Mulher” em todos os estados e no Distrito Federal. Os encontros digitais irão reunir lideranças municipais do movimento feminino do partido para debater prioridades para a construção do projeto das eleições de 2022.

Serão realizados workshops em três estados por dia, sendo o evento realizado de forma presencial e virtual. Todos os protocolos sanitários serão respeitados, com a testagem das participantes, a medição de temperatura na entrada do evento, a exigência do uso de máscaras e a disponibilização de álcool em gel.

A construção de um Brasil certo começa na vida de cada um, formando uma sociedade que defende o Brasil, cuida da família e fortalece o progresso.

Fórum Nacional Brasil Certo debate estratégias por maior representatividade feminina em cargos de liderança

Editoria: Eventos

Mesmo com maior escolaridade, elas ocupam apenas 37,4% dos cargos gerenciais. Brasil Certo e PSL Mulher realizam atividades para formar mais líderes femininas No próximo dia 15 de julho, o PSL Mulher realiza o Fórum Nacional Brasil Certo. O evento reunirá lideranças e representantes do movimento feminino do partido para debater estratégias de atuação para...

Mesmo com maior escolaridade, elas ocupam apenas 37,4% dos cargos gerenciais. Brasil Certo e PSL Mulher realizam atividades para formar mais líderes femininas

No próximo dia 15 de julho, o PSL Mulher realiza o Fórum Nacional Brasil Certo. O evento reunirá lideranças e representantes do movimento feminino do partido para debater estratégias de atuação para os próximos anos. A iniciativa faz parte do importante trabalho que vem sendo feito desde o lançamento do Brasil Certo, em março deste ano, para promover a liderança feminina em espaços de poder, tendo início na promoção de líderes comunitárias em cidades de todo o país.

A desigualdade de gênero no Brasil é histórica e esse cenário tem sido, apenas discretamente, modificado. Para entender como a representatividade das mulheres ainda caminha a passos tímidos, olhar os números femininos no Poder Legislativo é essencial. Por exemplo, o percentual de parlamentares mulheres em exercício ainda é pequeno, passando de 10,5%, em dezembro de 2017, para 14,8%, em setembro de 2020. No mesmo sentido, o número de vereadoras eleitas foi somente de 16% do total das cadeiras em 2020. Além disso, na Câmara dos Deputados, apenas 15% das posições são ocupadas por mulheres e, no Senado, o número ainda é menor: somente 13%.

Dados como esse colocam o país na desfavorável 142ª posição no ranking de representatividade feminina no parlamento, segundo relatório da ONU e da União Interparlamentar, o qual investigou a situação de 190 países. 

No que diz respeito ao setor privado, mesmo com mais anos de estudo, o número de mulheres em cargos gerenciais retrocedeu nos últimos anos. Em 2019, elas ocupavam 37,4% das chefias, percentual inferior ao ano de 2016, que era de 39,1%. Outro dado negativo é sobre a diferença salarial: mulheres recebiam apenas 77,7% do rendimento dos homens em 2019, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE).

Como as mulheres são maioria na população, a falta de representatividade se mostra ainda maior. Por isso, o Brasil Certo, liderado pela senadora Soraya Thronicke (PSL/MS), tem atuado para contribuir com a diminuição da desigualdade de gênero, por meio de diversas iniciativas como eventos e palestras, cursos gratuitos, distribuição de kits de mobilização, entre outros.

O Fórum Nacional Brasil Certo ocorrerá em Brasília, no dia 15 de julho, das 20h às 22h, e contará com a participação física de representantes dos comitês estaduais do PSL Mulher, além da de outras participantes, que estarão presentes de forma virtual. “Precisamos amadurecer o debate para aprofundar nossas estratégias para os próximos anos. Em 2022, teremos eleições, e essa é mais uma oportunidade para nos prepararmos para eleger mais mulheres que nos representem nos espaços de poder”, explica a senadora Soraya.

NORMAS SANITÁRIAS RESPEITADAS

Todasas normas de sanitárias serão respeitadas, havendo limite de convidados, distanciamento físico, uso obrigatório de máscara, checagem de temperatura e disponibilização de álcool em gel.

Anote na agenda:

Fórum Nacional de Lideranças do PSL Mulher

15 de julho – das 20h às 22h (Horário de Brasília)
Transmissão ao vivo pelas redes do Brasil Certo.

BrasilCerto.com.br

De hippie à empresária do turismo: como Talita investiu em seu potencial e mudou a própria história

Editoria: Eventos

Após viajar o Brasil por dois anos, a pedagoga Talita Cação decidiu fincar raízes em Bonito/MS e investir no que mais gostava: viagens e liberdade Abandonar um emprego fixo, com carteira assinada e carga horária semanal, em busca de um estilo de vida mais livre não é uma escolha fácil. Mas, para Talita Cação, no...

Após viajar o Brasil por dois anos, a pedagoga Talita Cação decidiu fincar raízes em Bonito/MS e investir no que mais gostava: viagens e liberdade

Abandonar um emprego fixo, com carteira assinada e carga horária semanal, em busca de um estilo de vida mais livre não é uma escolha fácil. Mas, para Talita Cação, no auge dos seus 32 anos de idade e com um filho para sustentar, essa foi uma decisão necessária. Ela, que durante anos foi hippie, vendendo bijuterias em vários lugares do Brasil e chegou a morar na rua – por escolha própria e não por necessidade, como faz questão de ressaltar –, viu-se sufocada pela formalidade de um emprego onde ganhava pouco e precisava cumprir horário. 

Em 2017, para melhorar a renda, tomou a decisão de alugar um quarto da casa para turistas. Quatro anos depois, Talita está em outra realidade: tornou-se uma empreendedora de sucesso, gerencia 15 imóveis e criou a Casa da Talita Consultoria, que oferece hospedagem acessível e atendimento personalizado. Hoje, é o perfil da cidade de Bonito mais bem-avaliado no serviço de hospedagem Airbnb – aplicativo usado por turistas no mundo inteiro para se hospedarem em residências ou mesmo em hotéis.

A história de Talita é uma inspiração para o programa Brasil Certo, que orienta mulheres a como participar da política de forma responsável, defendendo seus direitos, fiscalizando recursos públicos, mobilizando a comunidade e se comunicando de forma eficiente nas redes sociais. 

Assista ao relato de Talita no evento do Brasil Certo do dia 9 de abril:

Talita Cação chegou a Bonito aos 24 anos, inicialmente como parte de uma viagem de dois anos que fez por todo Brasil. Nascida em Mato Grosso do Sul, na capital Campo Grande, ela logo percebeu o potencial de crescimento de Bonito e acabou ficando por lá. Vendeu brincos na praça, trabalhou tanto em hotéis quanto agências de turismo e terminou sua graduação em Pedagogia. Ela chegou a trabalhar na área, mas não se satisfez com o salário e a falta de liberdade de horários. “Sempre fui uma pessoa livre e, de repente, me vi presa em um emprego onde ganhava pouco e tinha que cumprir horário.” Foi então que ela decidiu disponibilizar um quarto da casa onde morava com o filho para receber hóspedes – uma iniciativa ainda inédita na região em 2017. 

A ideia deu certo, e, seis meses depois, Talita precisou abrir uma empresa e formalizar o seu negócio. Foi então que nasceu a Casa da Talita Consultoria, que passou a oferecer também um atendimento personalizado aos turistas que queriam conhecer Bonito gastando pouco. “A cidade era muito elitizada e não tinha uma opção de hospedagem barata. O que nós oferecemos é justamente um atendimento personalizado, que vai além da hospedagem, com indicação de passeios e restaurantes com o melhor custo-benefício. Planejamos a viagem de acordo com o bolso do cliente”, explica a empresária.

“Nosso foco é garantir que o turista conheça Bonito gastando pouco, mas que tenha uma boa experiência e um atendimento individual e personalizado. No início, os clientes eram turistas do estado, mas hoje atendo pessoas do Brasil todo”, diz Talita em comemoração.

Em quatro anos de negócio, a Casa da Talita Consultoria não parou de crescer. A empresa já oferece um clube de descontos aos hóspedes, tendo o perfil com melhor avaliação de clientes no Airbnb na cidade de Bonito. Talita inclusive aumentou a casa onde mora. Ela hoje disponibiliza dois quartos para locação e, desde 2018, vive exclusivamente do turismo. 

A idealizadora do Brasil Certo, a senadora Soraya Thronicke, quer levar histórias de mulheres que são protagonistas das mudanças em suas vidas e em suas comunidades. “São pessoas que, com força de vontade, mudaram sua realidade. É isso que queremos levar com o projeto. Não são políticos e sim pessoas comuns, que pararam de reclamar e viraram o jogo”, aponta a senadora.

A meta de Talita é continuar crescendo – e agora a Casa da Talita irá voar alto com a abertura de uma filial no sul da Bahia, outro local que faz seu coração bater mais forte. “Minha meta é ficar seis meses aqui, seis meses lá. É um sonho, mas sei que irá se realizar porque vou fazer dar certo”, garante a dona do negócio. 

Talita demonstra contentamento por tudo que construiu. “Me sinto muito feliz e orgulhosa elo caminho que trilhei.  Se não tivesse a coragem de mudar, seria funcionária até hoje. Sou muito feliz e realizada, porque hoje ganho bem e tenho liberdade!”, diz com entusiasmo.O Brasil Certo tem como objetivo contar a história de mulheres reais, como a Talita, que são protagonistas da própria história e fazem a diferença na comunidade onde atuam. Talita participou recentemente de uma live do programa Brasil Certo, com a participação da senadora, onde apresentou a sua história. “Nossa ideia é que, com o projeto e com os cursos e palestras que serão ministrados, as mulheres tenham a mesma coragem da Talita para ir à luta em busca de seus sonhos e explorem melhor o seu potencial”, destacou a senadora Soraya Thronicke (PSL/MS), líder do Brasil Certo e presidente do PSL Mulher Nacional.

Força e superação: conheça a história de mulheres pioneiras no esporte brasileiro

Editoria: Eventos

Maria Lenk, Maria Esther Bueno, Aída dos Santos e Daniele Hypólito superaram desafios e abriram portas do esporte feminino no país. Para conquistarem seu espaço no esporte, as mulheres tiveram que superar diversos obstáculos históricos, como a proibição da prática esportiva, por exemplo. Em 1900 ocorreu a primeira participação feminina em Olimpíadas, porém, em apenas...

Maria Lenk, Maria Esther Bueno, Aída dos Santos e Daniele Hypólito superaram desafios e abriram portas do esporte feminino no país.

Para conquistarem seu espaço no esporte, as mulheres tiveram que superar diversos obstáculos históricos, como a proibição da prática esportiva, por exemplo. Em 1900 ocorreu a primeira participação feminina em Olimpíadas, porém, em apenas duas modalidades: tênis e golfe. No Brasil, até 1979, mulheres eram proibidas por lei a praticarem esportes “incompatíveis com a sua natureza”. Apenas em 2012, nos Jogos Olímpicos de Londres, houve a igualdade real, com mulheres disputando todas as modalidades olímpicas que os homens disputavam. 

Ainda hoje, a desigualdade é grande. De acordo com relatório apresentado pelo “Movimento é Vida”, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) – a prática de exercícios físicos por mulheres no Brasil ainda é 40% inferior aos homens. Mas, ainda com todos os desafios e barreiras, a força feminina sempre esteve presente no esporte e tem rompido barreiras.

Mulheres históricas e inspiradoras abriram caminho para as nossas atletas de hoje brilharem com mais liberdade e mais espaço. Conheça abaixo algumas dessas atletas pioneiras que revolucionaram o esporte feminino brasileiro e abriram caminho para outras mulheres e tornaram possíveis diversas conquistas brasileiras.

Maria Lenk

A ex-nadadora Maria Lenk é a pioneira oficial do esporte feminino no Brasil. Ela foi a primeira mulher brasileira a disputar uma Olimpíada, em 1932, nos Jogos de Los Angeles. A atleta começou a nadar para tratar problemas respiratórios, mas se destacou e se tornou um ícone para o esporte nacional. 

Em 1936, Maria Lenk foi a primeira nadadora do mundo a competir na prova dos 200m no estilo borboleta, prova que posteriormente se tornou oficial. No auge da carreira, em 1939, após bater dois recordes mundiais, Maria Lenk teria a chance de se tornar a primeira medalhista olímpica brasileira, mas perdeu a chance após os Jogos de 1940 e de 1944 serem canceladas por conta da Segunda Guerra Mundial.

Maria Lenk é exemplo da força feminina no esporte e chegou ao Hall da Fama da natação, a única brasileira a alcançar o feito, e se tornou inspiração para atletas brasileiras desde então. Morreu aos 92 anos - e nadou até o fim deles.

Aída dos Santos

Aida dos Santos é uma ex-atleta brasileira do atletismo.  Nos Jogos de Tóquio, em 1964, foi a única mulher brasileira na delegação e tendo viajado sem técnico, sem tênis, sem uniforme. Ainda assim, alcançou o quarto lugar no salto em altura, resultado que, durante mais de três décadas foi o melhor resultado feminino no esporte nacional, até a conquista da medalha de ouro nos Jogos de 1996 por Jacqueline e Sandra no vôlei de praia. 

Quatro anos depois, nos Jogos da Cidade do México, Aída alcançou o vigésimo lugar no Pentathlon. Inspirou sua filha, Valeskinha, que se tornou jogadora de voleibol. Hoje tem um instituto para promover a inclusão social por meio do atletismo e do voleibol. 

Aída dos Santos recebeu o Troféu Adhemar Ferreira da Silva no Prêmio Brasil Olímpico, em 2006 e, em 2009, conquistou o Diploma Mundial Mulher e Esporte, uma premiação especial do Comitê Olímpico Internacional.

Maria Esther Bueno

Chamada de “rainha do tênis”, a ex-atleta Maria Esther Bueno deixou um grande legado para o esporte feminino. Conquistou diversos títulos entre as décadas de 1950 e 1970, tendo conquistado títulos nas três décadas diferentes. Um feito memorável.

Ao todo, conquistou 71 títulos na carreira. Foi campeã quatro vezes do US Open, duas vezes de Wimbledon e foi finalista do Australian Open e Roland Garros. Nas duplas, conquistou os quatro Majors, ganhando todos seguidos em 1960.

É considerada o maior nome do tênis brasileiro, entre homens e mulheres e foi eleita a melhor tenista do século 20 da América Latina. Em 2012, ficou na posição 38 entre os 100 Melhores Tenistas da história. 

Daniele Hypólito

Daniele Hypólito é a ginasta brasileira com mais participações em Jogos Olímpicos, ao todo foram cinco. Foi a primeira brasileira a conquistar uma medalha no mundial de ginástica, um histórico segundo lugar, em 2001, e foi a precursora para que diversas atletas seguissem seus passos e se tornassem grandes nomes do esporte.

Ela já participou de 5 Jogos Olímpicos e conquistou 14 títulos nacionais e 10 medalhas em Jogos Pan-americanos. Com 36 anos de idade, Dani Hypólito segue firme na carreira e acaba de renovar seu contrato profissional com o seu clube, o Flamengo. Ela é a atleta mais completa e a ginasta brasileira mais experiente em atividade atualmente.

O Brasil Certo valoriza a história feminina no esporte e sabe do valor de líderes e de histórias inspiradoras na vida das pessoas. Na última sexta-feira, 9 de abril, o projeto realizou o seu segundo evento digital, com o tema “Medalha de ouro da vida”, e contou com a participação de Daniele Hypólito em um bate papo com a senadora Soraya Thronicke (PSL/MS) sobre como sua experiência de disciplina e perseverança no esporte, como a vivida por ela, por Maria Lenk, Maria Esther Bueno e Aída dos Santos, pode inspirar, ajudar a salvar vidas e superar a pandemia.

Não conseguiu assistir ao vivo? Não tem problema. Assista agora em nosso canal no Youtube.